O QUE É APADRINHAMENTO AFETIVO?

        Apadrinhar efetivamente uma criança é permitir que ela passe algum tempo com você, por alguns períodos, um dia da semana, sem implicar qualquer vínculo jurídico. O Padrinho ou Madrinha é alguém que queira auxiliar e acompanhar a vida de uma criança ou adolescente que está em um abrigo, e que tem pouca possibilidade de ser adotado.

Cada Padrinho ou madrinha terá liberdade de escolher lugares para passear, ocasiões e demais atividades para realizar com o afilhado, participando efetivamente da vida da criança ou adolescente.

         QUE POSSO FAZER COM MEU AFILHADO AFETIVO?

         Veja as atividades que podem ser feitas com seus afilhados afetivos;

  •   Acompanhar e ajudar nas tarefas da escola;

  • Levar ao medico e ao dentista;

  • Realizar brincadeiras em dias de visita ao abrigo;

  • Levar ( se desejado ) o afilhado para passar um dia ou fim de semana em sua residencia.​

         QUEM PODE APADRINHAR?​

          Veja os critérios para Apadrinhamento Afetivo:

  • Ter disponibilidade de tempo para participar efetivamente da vida do (a) afilhado (a) (visitas ao abrigo, escolar, passeios, etc.);

  • ter mais de 21 anos ( respeitando a diferença de ser 16 anos mais velho do que a criança ou adolescente);

  • Apresentar toda a documentação exigida;

  • Respeitar as regras e normas colocadas pelos responsáveis do projeto e dos abrigos.

 

        COMO APADRINHAR?​

       Você pode entrar em contato diretamente com o abrigo de seu interesse, ou falar com alguma

 

instituição que intermedia o apadrinhamento efetivo em diversos abrigos.

Endereços e informações  para apadrinhamento Afetivo.


       Crianças e adolescente abrigados terão mais uma chance de ter convívio familiar. A 1° Vara da

 

Infância,  Juventude e do idoso de Madureira desenvolveu o projeto Apadrinhar com o objetivo de

 

dar visibilidade aos menores disponíveis à adoção e proporcionar àqueles que, por um

 

infelicidade da vida, se viram órfãos de afeto. O padrinho ou madrinha vem preencher essa

 

lacuna, uma vez que acompanharão de perto o desenvolvimento de seus afilhados.
      

       Segundo a juíza da 1° Vara da Infância, Juventude e do Idoso de Madureira Monica Labuto

 

Fragoso Machado, o projeto além de proporcionar às crianças e adolescentes a construção de

 

vínculos familiares, dará apoio material, com possibilidades de amparo educacional e

 

profissional e estimulo à cidadania.
 

       Os padrinhos e madrinhas, inicialmente, só poderão visitar seus afilhados (as) nos abrigos.

 

Depois, com autorização judicial, o contato será ainda mais próximo, com a possibilidade de

 

viagem, acompanhar tratamento médico e, também, o rendimento escolar.
     

       São varias as formas de se engajar no projeto: o apadrinhamento afetivo, que consiste

 

basicamente em dar carinho, podendo, por exemplo, ficar com o afilhado em um período de ferias

 

escolares; o material, onde se assumem algumas obrigações financeiras, custeando, por exemplo,

 

a educação; o familiar, que envolve todo o núcleo familiar do padrinho/madrinha; o prestador de

 

serviços, o qual será prestado serviços gratuitos, em conformidade com sua área de formação

 

profissional.
     

       Para participar do Apadrinhamento, o candidato a padrinho/madrinha deverá comparecer

 

pessoalmente a 1° Vara de Infância, Juventude e do Idoso de Madureira, localizada na Avenida

 

Ernani Cardoso, 152, 1° andar, Cascadura, RJ, das 13 às 18 horas e contactar o setor de psicologia

 

para agendar uma entrevista. Os interessados devem levar copias autenticadas do RG, CPF e

 

certidão de nascimento.
 

Contato: 21 25833592 - Setor de Psicologia

 

Fonte: https://tj-rj.jusbrasil.com.br
 

 

 

ADOÇÃO

 

       Grupo de Apoio à Adoção - O que é? Onde encontro?​

        Agora , se você está pensando em adotar e tem muitas duvidas, se está em processo de 

 

habilitação

 

para adoção, se esta na fila de adoção e quer compartilhar com outras pessoas as suas angustias,

 

se já adotou e quer trocar experiencias com outras familiar: Participe de um grupo de apoio à

 

adoção!

       Em nossa comunidade um novo Grupo de apoio à Adoção inicia suas atividades: o GAA Santuário da Adoção.

       As reuniões mensais serão as terceiras quartas-feiras de cada mês, das 19h30min às 21h30min, no Cepar, portanto nossa primeira reunião será dia 19/10 com o tema. O que é adoção?

        O QUE E UM GRUPO DE APOIO À ADOÇÃO (GAA)?

        Os grupos de apoio à adoção são formados, na maioria das vezes, por iniciativas de pais adotivos que trabalham, voluntariamente para a divulgação da Nova Cultura de Adoção, prevenir o abandono, preparar adotantes e acompanhar pais adotivos no pós-adoção, auxiliar na reintegração familiar, conscientizar a sociedade sobre a legitimidade da família adotiva e , principalmente, auxiliar na buscar ativa de famílias para a adoção de crianças fora do perfil comumente desejado pelos adotantes ( crianças de mais idade, com necessidades especiais, grupos

de irmãos ou inter-raciais).

      TODOS OS GAAs TRABALHAM:

- por adoções legais, seguras e para sempre,

- pela garantia do direito à família para todas as crianças e adolescente,

- pela legitimidade da família adotiva,

- por uma cultura de adoção na sociedade!

      ONDE ENCONTRAR UM GRUPO DE APOIO À ADOÇÃO?

       Segue link do site da ANGAAD ( Associação dos Grupos de Apoio à Adoção) com lista completa dos grupos de apoio à adoção (GAAs) no Brasil: www.angaad.org.br/lista_gaa.html

ADOTAR 
CONFIRA O PASSO A PASSO

  1 EU QUERO!                                                                2 DÊ ENTRADA
         Procure a vara de infância e                                                   E preciso fazer uma petição
      juventude do seu Município.                                                 para dar inicio ao processo
                                                                         de inscrição.

  3 CURSO E AVALIAÇÃO
     E obrigatório o curso de preparação psicossocial e jurídica para a adoção. 
    Após o curso, o candidato e submetido á avaliação com entrevistas e visitas
   domiciliar feitas pela equipe técnica interprofissional.

 

    4 PERFIL                                                                      5 CERTIFICADO 
     Durante a entrevista técnica,                                      A partir do laudo da equipe técnica e do 
     o pretendente descreverá o                                         parecer emitido pelo Ministério Publico,
     perfil da criança desejada.                                         o juiz dará sua sentença.  Com o pedido
                                                                                             acolhido, seu nome será inserido no
                                                                                             cadastro.

 


   6 APROVADO
    Já na fila de adoção, e preciso aguardar  para encontrar uma criança
   com o perfil compatível.  Quando encontrada, a Vara de Infância vai
   avisá-lo e se houver interesse, ambos serão apresentados. A criança
   será entrevistada após o encontro para dizer se quer ou não continuar
   com o processo.
 

 7 A CRIANÇA
   Inicia-se o estágio de convivência. Você pode visitar a criança no abrigo,
   levar para passear para que vocês se aproximem.  Se o relacionamento 
   correr bem, a criança e liberada e o pretendente ajuizará a adoção. O juiz
   profere a sentença e determina a lavratura no novo registro de nascimento.

 

Fonte: ANGAAD

    

Todos os direitos reservados © 2018

Orfanato Santa Rita de Cassia

  • Facebook Social Icon